Search
Saturday 7 December 2019
  • :
  • :

Clubes se reúnem e CBV oficializa novas regras para o ranking da próxima Superliga Feminina

 

Uma reunião com oito dos 10 representantes dos clubes classificados para a Superliga Feminina de Vôlei 2017/2018, além do vice-presidente da Comissão de Atletas, eleito pelos próprios jogadores, Gilmar Teixeira (Kid), definiu, na última terça-feira (14/03), em São Paulo (SP), novas diretrizes para o ranking que será utilizado na próxima temporada. Por votação dos clubes, ficou definido que as únicas limitações para a próxima edição da Superliga é que cada equipe poderá ter até duas jogadoras de sete pontos e duas estrangerias.

 

As demais jogadoras, com pontuação entre zero e seis, estarão liberadas. Também por opção dos clubes presentes – Vôlei Nestlé (SP), Dentil/Praia Clube (MG), Fluminense (RJ), Rexona-Sesc (RJ), Camponesa/Minas (MG), Genter Vôlei Bauru (SP), Pinheiros (SP) e São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) – a nova regra estará em prática apenas por um ano, como uma forma de teste. Caso seja aprovada pelos clubes, será mantida na temporada seguinte.

 

O ranking oficial foi implantado na temporada 92/93, com o objetivo de gerar equilíbrio entre os times participantes da competição, com limite na pontuação geral para a formação de seus elencos. Desta vez, apenas as atletas que valem sete pontos, a pontuação máxima, serão ranqueadas. Nove jogadoras se encontram nesta situação: Thaísa, Sheilla, Dani Lins, Fernanda Garay, Natália, Fabiana, Gabi, Tandara e Jaqueline.

 

A reunião com os representantes da Superliga Masculina será realizada no dia 24 deste mês.




13
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Melhor do Volei :: O Maior portal da America Latina – Jogadoras da Seleção Brasileira de Vôlei lançam nota de repudio ao ranking para Superliga 2017/18NikolaJuarezNikolaHermes Correia Recent comment authors
  Subscribe  
o mais novo mais velho mais votado
Auto Notificar:
trackback

[…] Na última quarta-feira (20/03), a Confederação Brasileira de Vôlei comunicou mudanças no ranking da Superliga 2017/18, aprovadas em uma reunião, com oito dos 10 representantes dos clubes classificados para a competição, como se pode ler no link: Clubes se reúnem e CBV oficializa novas regras para o ranking da próxima Superliga Feminina […]

Nikola
Visitante
Nikola

Depois que o supertime do Sadia, treinado por Inaldo Manta com a Ana Moser, Cecilia Tait, Fernanda Venturini, Marcia Fu, Ida, Isabel, campeão invicto brasileiro, campeão mundial de clubes, um time realmente imbatível, a CBV decidiu fazer o ranqueamento para equilibrar as forças entre os times nacionais.

Porém parece não estar fazendo mais efeito, pois o time do Rexona e Sada vencem seguidamente a SL. Precisavam reinventar o equilíbrio de jogadoras entre os clubes, vamos ver se terá melhoria. Acredito que vai melhorar…

Juarez
Visitante
Juarez

O problema todo não acho que seja pontuação, é grana pra bancar jogadoras com pontuação alta. que são muito caras, o que esta desequilibrado no Brasil é a falta de investimento financeiro, a TV fazendo pouco caso dos patrocinadores, divulgação fraca pela TV aberta e fechada, precisam descentralizar a transmissão (transmite quem quiser), só que CBV deve receber um suborno legal, então esta pouco se importando, desde que eles recebam o deles, o resto que se dane, sem verba, só uns 2 ou 3 times no máximo, consegue ter como bancar essas jogadoras. Os outros ficam para trás, ai o… Ler mais »

Nikola
Visitante
Nikola

Juarez, também tem, a crise : dolar em alta faz o mercado estrangeiro torna-se atratativo. Os brasileiros, muito bem visto lá fora, ganham o dobro do que ganhariam no Brasil..

Se até atletas de segundo escalão estão jogando em ligas obscuras, como Espanha, Grécia, Indonesia, Eslovenia, por causa da alta do dolar, o que não falar das selecionáveis como Mauricio Borges, Chupita, Natalia, Thaisa, Garay. JP Bravo, Vissoto, Marlon etc

Hermes Correia
Visitante
Hermes Correia

O ideal seria permitir 03 jogadoras c/07 pontos. Assim algumas poderiam ser repatriadas. O único ponto positivo das alterações foi não ranquear jogadoras abaixo de sete.

Glaucia
Visitante
Glaucia

Duvido que apareçam novas equipes! Entrara a do Ze no mercado e sairá Valinhos. E quem garante que tenhamos novas equipes se todas precisam passar pela liga B

Qtos patrocinadores fortes criarao equipes?

Td continuara entre osasco, minas, rio e praia … Bauru se investir dinheiro em Ryvera…senhor….

Fabio
Visitante
Fabio

Parece que terá a Taça Prata pra definir a última vaga. Quem sabe o time da Pirv se fortaleça ou mesmo o Sesi volte a investir pesado no feminino…

Fabio
Visitante
Fabio

Quantas Helô, Paula Borgo, Carla terão na próxima Superliga que vão atuar pouco por ter melhor opção no time?

Fabio
Visitante
Fabio

Quantos times de jogadoras infanto e juvenil (como foi o Sesi no feminino) terão na próxima temporada? A liberação do ranking só vai beneficiar um time. Apenas Osasco teve duas jogadoras com pontuação máxima nesta temporada. O problema não era o ranking. Ou seja, vai tudo continuar como antes….

GLAUCIA
Visitante
GLAUCIA

O volei brasileiro já foi exemplo … voltam as super potencias esportivas (verdadeiras seleções) e o torneio volta a ter dois blocos: os 4 que disputam e os outros que cumprem tabela… e aqueles que… RIO DO SUL – SANCA – VALINHOS – PINHEIROS – e por aí vai que só revelam talentos!!

Vamos que vamos

Lucas
Visitante
Lucas

Alguém me explica direito?

Vôlei top
Visitante
Vôlei top

Os times só sofrem limitações na quantidade de jogadoras com 7 pontos: Só 2 por equipe, e também em estrangeiros: 2 também por equipe. As jogadoras que não tem pontuação 7 podem ir para qualquer equipe, não tem mais limite de pontuação por equipe.

TITANIC 100 ANOS
Visitante
TITANIC 100 ANOS

o que será que a cbv vai modificar esse ano no ranking masculino pra “tentar” prejudicar a formação do cruzeiro pra beneficiar o timeco do sesi???????? aguardem cenas dos próximos capítulos…..

Translate »