Search
Sunday 25 August 2019
  • :
  • :

Conheça a emocionante história da guerreira Domingas, do Terracap/Brasília Vôlei

Crédito: Divulgação/Brasília Vôlei

Crédito: Divulgação/Brasília Vôlei

 

Pausa na Superliga Feminina para o natal e confraternizações de final de ano. Passagem de ônibus de Brasília à Goiânia em mãos. É hora de viajar. São aproximadamente três horas até o destino final. Chegando na capital goiana retira as malas do ônibus e corre para o guichê da rodoviária à procura de outra passagem. O destino agora é Paranã, município do estado do Tocantins com população aproximada de pouco mais de 10 mil habitantes. Finalmente ela conseguiu comprar o bilhete. O ônibus sai às 21h e chega às 10h da manhã do dia seguinte. Só lhe resta dormir enquanto o tempo passa.

 

O relógio marca 10h da manhã e Domingas Soares do Araújo desembarca em Paranã. O cansaço é vencido pela saudade e vontade de rever a família após sete anos distante de casa. Ela ainda não chegou na fazenda onde os parentes moram, que fica a 4h do município tocantinense. Para continuar o trajeto, rapidamente procura por caminhonetes que fazem 90% da rota por R$ 360,00. Ao chegar na ponte da travessia do Rio São Domingos, desce do veículo e aguarda ansiosa pela canoa que a levará até a outra margem do rio. Saindo da canoa, os familiares a esperam com cavalos e, claro, com os corações acelerados. A maratona termina e, enfim, Domingas pode abraçar a mãe, o pai e as irmãs.

 

Foi assim que a jogadora do Terracap/Brasília Vôlei retornou para a fazenda onde passou parte da infância no último recesso da equipe. O complexo percurso seria desmotivador para a maioria. Não para ela. “Lá é onde eu esqueço de tudo. Fico com as pessoas pelas quais dedico minha vida. Quando estou lá quero fazer valer a pena tudo o que eu perdi, datas de aniversário, encontros, tudo o que eu não pude ter”, revela.

 

Marcamos um bate-papo às 16h30, no Ginásio do Sesi, meia hora antes do treino começar. Chego pontualmente e Domingas já está esperando sentada no banco de reservas ao lado da quadra. Trocamos algumas palavras e explico como será a conversa. Por ser um papo mais pessoal, imagino que a jogadora, reservada e por vezes tímida, vá ficar com receio de falar das dificuldades que passou na infância/adolescência. Que nada. Ela conta a história de sua vida com orgulho, exibindo as marcas que a vida as deixou como se fossem medalhas.

 

Enquanto a atleta coloca as meias e joelheiras, inicio a entrevista pedindo para que me conte como foi sua infância. Ela para, respira, pensa um pouco e começa ressaltando que “só nasceu no Goiás, mas foi criada nesta fazenda, perto do município de Paranã”. Volta a se calçar e depois detalha com cuidado a situação do local onde cresceu. “Lá você planta, mata gado para comer, não tem água encanada, (a água é do próprio rio), não tem energia, não tem nada”, e solta uma risada.

 

Numa família de cinco irmãs e três irmãos, ela é uma das mais novas. Hoje, de fato, Domingas vive outra vida. Jogando no Terracap/Brasília Vôlei e morando num apartamento mobiliado em Águas Claras-DF, esta realidade é completamente diferente da que ela almejava quando ainda residia em Tocantins. “Saí de casa e tive que ir para a cidade trabalhar em troca de estudo aos seis anos, pouco depois da separação dos meus pais. Só que existe uma escravidão no Paranã. As pessoas pegam os filhos de quem não tem condições para criar e falam que vão dar estudo, mas simplesmente escravizam a criança. No fim você trabalha em troca de um prato de comida”, enfatiza, como se eu não estivesse acreditando no relato. “Como assim?” Pergunto. Ela complementa. “Nessa casa eu fazia de tudo. Tive que aprender a lavar, passar, cozinhar e (acredite) cuidar de outras crianças”.

 

Ainda surpreso, questiono sobre a mãe. A jogadora fica cabisbaixa e diz. “Era muito triste para a minha mãe ver a gente passar por aquela situação, mas infelizmente ela não podia fazer nada. Quando tinha 13 anos, fui passar as férias com ela e disse que queria uma história diferente para a minha vida.” As recordações voltam. “Lembro de um dia que uma mulher me bateu, tenho até as marcas no corpo. Ela me espancou e acertou minha cabeça muito forte na parede, mas a gente não podia contar para a minha mãe porque essas pessoas nos batiam mais depois. Tinha que dizer que estava tudo bem.”

 

Joelheiras, meias, tornozeleiras e tênis calçados. A entrevista continua após uma breve pausa para ela cumprimentar Michelle Duarte, sua companheira de equipe que chega para o treino e se senta ao lado. “Saí desta casa onde trabalhava aos 14 anos, quando minha mãe me buscou após saber o que eu sofria. Quando voltei para a fazenda, minha irmã Silvânia, que tinha ido tentar a vida em Palmas, ficou sabendo o que tinha acontecido comigo e pediu a minha mãe para morasse, estudasse e trabalhasse com ela. Graças a Deus deu certo.”

 

O estímulo para ingressar no esporte veio de Silvânia, inspiração de Domingas, que jogava vôlei de areia. “Ela me disse que eu era alta, tinha um porte físico bom e que talvez pudesse jogar. Então me levou para a areia”. Para sua tristeza, essas características não eram suficientes para que se desse bem na modalidade. “Eu era um desastre, muito ruim, não sabia jogar. Chorava e falava que não queria mais”, cai na gargalhada.

 

Tudo relacionado ao esporte parecia conspirar contra Domingas. Entretanto, para quem já passou por tanta coisa, não desistiria tão fácil. “Silvânia me ofereceu para o treinador do melhor time da cidade, mas por ter muitos vícios de quem joga na areia, fui rejeitada. Em seguida participei dos jogos escolares de vôlei de quadra pelo Colégio Dom Bosco.” Enfim entramos no assunto vôlei, e aí ela se recorda do recomeço de carreira. “Quando o treinador que havia me rejeitado me viu pessoalmente nos jogos escolares, comentou que tinha futuro e me queria na equipe. Aceitei e depois de um mês de treinamentos fui para a Seleção do Tocantins.”

 

Já atuando pela Seleção do Estado, conquistou a atenção de alguns olheiros presentes e os convites para atuar fora começaram a aparecer. Entre indecisões e decisões, resolveu junto à irmã que iria para o Rio Grande do Sul, onde ficou por um ano e disputou a Taça Paraná. “Foi terrível, não me adaptei, eu era um bicho do mato, não conseguia, não me adaptava. Quando terminou a temporada voltei para o Paranã.”

 

O que parecia estar caminhando bem, voltou a desandar. A ponteira/oposta confessa que na volta “pensou em desistir de tudo”. Ela cruza as mãos e detalha que quando chegou em casa pensou que tinha feito tudo errado. Então sentou-se, fechou os olhos e esbravejou: “Senhor, eu estou aqui, neste lugar, quero dar uma vida diferente para a minha mãe, para a minha família e olha só, estraguei tudo! Voltei para cá de novo e não tenho mais nenhuma chance, mais nenhuma esperança.” A prece parece ter sido ouvida e, já arrepiada, complementa. “Naquela mesma noite, um homem foi até a fazenda dar um recado que tinha alguém de São Paulo me procurando.”

 

Este ‘alguém’ era Maurício Thomas, técnico da Seleção Brasileira Juvenil, que a viu jogar ainda na Taça Paraná e queria a convocar. De pronto, o treinador se dispôs a procurar um clube para treina-la. “Deus colocou uma luz na minha vida. O Maurício me ofereceu ao São Caetano e o time me quis.”

 

Na noite de reviravoltas Domingas embarcava para a maior viagem de sua vida. O destino era São Paulo. Fazendo as malas, com os olhos cheios de lágrimas, relembra. “Me ajoelhei, comecei a chorar e falei: Senhor Deus, eu não sabia se o Senhor existia, mas a partir de hoje não duvidarei que o Senhor existe.”

 

Cinco anos se passaram no São Caetano e agora, vestindo a camisa do Terracap/Brasília Vôlei, Domingas se prepara para mais um dia de treinamento no novo clube. “Creio que hoje, aonde estou, ainda não é nada. Sei que Deus tem grandes planos para minha vida. Ele me moveu até aqui.” Insatisfeita, emenda. “Ainda não sou a jogadora que pretendo ser. Almejo lutar, batalhar, ralar para chegar mais à frente.”

 

Já são 17h e o treinamento começará dentro de alguns minutos. Depois de vê-la cumprimentar todas as colegas de time que chegaram – Paula Pequeno ganhou um abraço apertado -, preciso libera-la para o aquecimento. Antes, pergunto se gostaria de deixar uma mensagem para todos que já pensaram em desistir por tão pouco.

 

“Primeiramente você tem que crer em Deus. Na vida é preciso crer em algo, em alguém superior que está nos olhando e nos guiando. Se você não tiver essa motivação, não tiver ninguém para crer, alguém que vai te ajudar a superar os limites, você não consegue superá-los porque vai ser só você contra você. Se Deus está nos movendo, homem nenhum pode falar “não” para você. Ninguém aqui na Terra tem o poder de dizer que não é possível. Para mim, muitos falaram não. Muitos falaram que meu lugar ela lavando chão, lavando privada dos outros. Só que Deus me mostrou que eu podia ir além e acreditei. Não deixe ninguém frustrar seus sonhos, sempre vai haver uma luz para você.”

 

Crédito: Matéria feita por Shizuo Alves (Brasília Vôlei)




8
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
andreMaria Nazareth da SilvaCléber Ailton TeixeiraFabiothaisa Recent comment authors
  Subscribe  
o mais novo mais velho mais votado
Auto Notificar:
andre
Visitante
andre

Que Matéria linda! Ao meu ver, isso dá muito Conteúdo dentro e fora de quadra. Ouro total!

andre
Visitante
andre

porque boneca em quadra o mundo tá cheio, por isso é preciso canalizar Conteudo de vida em jogo, e isso o Br tem de sobra.

Maria Nazareth da Silva
Visitante
Maria Nazareth da Silva

Domingas, você tem que tomar muito cuidado para não ser contaminada pelo mosquito “D I L K A”, essa praga está aí em Brasília!!!

Cléber Ailton Teixeira
Visitante
Cléber Ailton Teixeira

Parabéns. Que Deus continue sendo o seu farol, o seu escudo, a sua paz, a sua felicidade. Espere sempre em Deus e tudo o mais Ele fará.

Fabio
Visitante
Fabio

Emocionante!!!

Fabio
Visitante
Fabio

Chega a emocionar. Parabéns por ter superado os desafios da vida.

thaisa
Visitante
thaisa

Que coisa mais linda! Guerreira mesmo. Mais do que nunca torcerei por Domingas.

titanic 100 anos
Visitante
titanic 100 anos

Muito bom ler uma história tão bonita dessas que nos estimula a seguir em frente e acreditar que Deus tem um propósito para cada um de nós. Torço por você Domingas e que verdadeiramente venha a ser um talento para o nosso voleybol

Translate »