Search
Tuesday 28 February 2017
  • :
  • :

Em entrevista exclusiva, Roberta comenta destaque na Superliga, experiências internacionais e revela sonho

Crédito: Brasília Vôlei

 

 

Destaque pela equipe do Brasília Vôlei, sendo a 4ª melhor bloqueadora da Superliga até o momento, com 34.38% de eficiência, e a 4ª melhor sacadora com 9.26% de eficiência, a central Roberta Pereira conversou com exclusividade com o Melhor do Vôlei. Na entrevista a jogadora comentou sobre o bom momento da equipe candanga e suas atuações de destaque.

 

Com 32 anos de idade e 1.87m, Roberta teve passagens pelo voleibol espanhol e português, além de defender vários clubes no Brasil, entre eles o Sesi-SP e o São Caetano.

 

“Acho que toda a busca por melhoria no dia a dia está tendo resultado. O objetivo é sempre estar melhorando os fundamentos, e isso tem dado resultado. A cada temporada que começa, sempre penso o que preciso melhorar mais. Óbvio que sempre queremos melhorar tudo, mas há uma debilidade a mais e estou procurando dar muita ênfase em saque e bloqueio. Vejo que o desempenho tem sido bom, mas não quero ficar somente nisso, mas sim ir além”.

 

A central sabe do valor de suas passagens pela Espanha e Portugal, onde foi campeã da Taça Portugal e da Superliga Espanhola.

 

“Consegui amadurecer muito jogando 4 anos fora. Eu tinha muita responsabilidade, então isso me ajudou muito a melhorar e amadurecer como pessoa e jogadora, afinal morar fora, sem estar perto da família, não é nada fácil. Tive que sair totalmente da minha zona de conforto para amadurecer”.

 

Sobre a sua terceira temporada defendendo o Brasília Vôlei, Roberta é enfática sobre o grupo e se diz sentir em casa, sem esquecer da torcida. “Os torcedores em Brasília sempre marcam presença e isso é muito bom para gente. Sobre as pessoas com que trabalho, só tenho a dizer que se não me sentisse em casa, não estaria três temporadas no Brasília. Gosto muito de todos e de morar aqui. Nosso grupo é muito fechado, muito bom poder trabalhar com cada um deles. Acho que temos cada vez mais amadurecido juntos e isso é muito importante para podermos ir muito mais além”.

 

Na temporada passada, a equipe de Brasília era comandada pelo técnico Manu Arnaut, hoje é dirigida pelo ex-jogador Anderson Rodrigues, auxiliar-técnico do Minas, na temporada 2015/16. Roberta destaca a importância de ter se mantido a base da equipe, a chegada de Anderson e a continuidade do trabalho realizado na temporada passada.

 

“Acho que além de ter mantido uma base da equipe, que foi muito importante, a chegada do Anderson só agregou para toda essa evolução. Ano passado evoluímos muito com o Manu e com a chegada do Anderson conseguimos manter e obter grandes resultados.”

 

Encerrando o primeiro turno da competição, o Brasília Vôlei enfrenta o São Caetano, nesta quarta-feira (21/12) às 20h, em Brasília. Roberta tem conhecimento sobre as dificuldades do confronto.

 

“No jogo contra o São Caetano precisamos entrar bastante concentradas. Sabemos que é um time que está em uma crescente muito boa e precisamos estar atentas, marcar muito bem e fazer a nossa relação bloqueio defesa funcionar bem para conquistar mais um vitória”.

 

A vontade de defender a Seleção Brasileira também é desejo antigo da atleta, que também comentou sobre a paralisação da Superliga, após o término do turno.

 

“Eu acho que toda atleta tem esse sonho. Poder defender o seu país naquilo que você mais gosta de fazer é uma alegria muito grande, um orgulho! A parada do Natal e Ano Novo vai ser boa para relaxar, curtir com a família e amigos, porque afinal também merecemos um “descansinho” (risos). Claro que sem perder o foco. Acho importante os treinamentos nesse espaço de tempo para não perdermos o que conseguimos até agora”.

 

Rodrigo Quizi

2




Deixe um comentário

1 Comentário em "Em entrevista exclusiva, Roberta comenta destaque na Superliga, experiências internacionais e revela sonho"

Auto Notificar:
avatar
Ordenar por:   o mais novo | mais velho | mais votado
João
Visitante

Pena que é “velha”, mas é melhor que a Anã Carolina.

Medo do Brasil tendo centrais anãs e enfrentando equipes cada vez mais altas.

wpDiscuz