Search
Saturday 23 January 2021
  • :
  • :

Com apenas 20 anos, Rosamaria é um dos destaques da Superliga feminina

Divulgação/CBV

Rosamaria (camisa 9) diz ter aprendido bastante na passagem pelo Vôlei Amil

O topo da lista das maiores pontuadoras da edição 2014/2015 da Superliga feminina de vôlei é ocupado por um dos novos talentos do voleibol brasileiro. Com 92 pontos em cinco rodadas, a oposto Rosamaria Montibeller, do Pinheiros, aparece na frente de nomes bem mais experientes do esporte.

Com apenas 20 anos de idade, a jovem não é exatamente uma novidade para quem acompanha o esporte, chamando a atenção dos torcedores há, pelo menos, duas temporadas no extinto Vôlei Amil. Mas, depois de deixar a equipe campineira e acertar com o time da capital paulista, a atacante assumiu o papel de protagonista e é uma das bolas de segurança de uma das mais tradicionais equipes do voleibol verde-amarelo.

Na última partida do Pinheiros na Superliga – derrota para o rival São Caetano Saúde/São Caetano – a atacante deixou a quadra, mais uma vez, como a maior pontuadora, com 20 acertos. Ao ser questionada sobre o seu bom momento na competição, Rosamaria faz questão de dividir os méritos com as companheiras e com a comissão técnica do grupo paulista.

“Estou muito feliz. Tenho 20 anos e, nesta temporada, estou tendo a oportunidade de jogar efetivamente como titular. O Pinheiros é um time que joga com muita velocidade e isso é muito bom para o meu jogo. Tenho que agradecer a Macris pela confiança e as jogadoras por me ajudarem em tudo. O trabalho com o Wagão também tem sido muito positivo”, afirmou a atleta, que atuou pela primeira vez com o técnico na preparação para o Sul-Americano Sub-22, disputado na Colômbia, onde o Brasil foi campeão invicto.

No Pinheiros, Rosamaria tem como companheira de posição a experiente Renatinha, que teve diversas passagens pela seleção brasileira, como na conquista da medalha de prata no Mundial de 2006, no Japão. Rosamaria garante que o convívio com a oposto é o melhor possível e, a disputa por posição, muito sadia.

“Procuro observar bastante a Renatinha nos treinamentos para aprender. Ela tem uma história no voleibol e muitos anos de seleção brasileira. Nos treinos, uma puxa a outra e corre atrás o tempo inteiro. Isso é positivo para o grupo e o nosso crescimento.”, afirmou.

A oposto da equipe paulista também lembra com carinho das duas temporadas no extinto Vôlei Amil, de Campinas, quando teve a oportunidade de trabalhar com o treinador José Roberto Guimarães.

“Eu era muito nova em Campinas e tive a chance de jogar ao lado dos meus ídolos, como a Walewska. Nas duas temporadas, joguei como titular em algumas partidas e aprendi bastante. O Zé Roberto e toda a comissão técnica foram muito pacientes comigo. Foi um período de muito aprendizado”, comentou.

Seleções de base

Nas categorias inferiores, Rosamaria faz parte de uma geração de nomes como a ponteira Gabi e a líbero Juliana Paes. No Mundial Juvenil, na República Tcheca, em 2013, a atacante foi a capitã do grupo que conquistou a medalha de bronze. A responsabilidade de liderar a equipe na ocasião foi um momento marcante.

“Nossa geração saiu de um sexto lugar no Mundial Infato-Juvenil para uma medalha dois anos depois. Foi muito prazeroso fazer parte daquele grupo. Tivemos azar de jogar contra a China na semifinal, mas conseguimos uma honrosa medalha de bronze”, lembrou Rosamaria, que começou no voleibol com oito anos, na sua cidade natal, Nova Trento, em Santa Catarina.

Para o futuro, Rosamaria espera ter boas atuações com o Pinheiros e sonha com um lugar na seleção principal. As boas atuações com a equipe paulista na Superliga mostram que os sonhos não estão tão distantes para a jovem ponteira de 20 anos.




Subscribe
Auto Notificar:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Translate »
213
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x