Search
Tuesday 22 September 2020
  • :
  • :

Mundial: Brasil bate Rússia e vai à terceira fase invicto

Divulgação/FIVB

Brasil é o único time do Mundial que ainda não perdeu

Naquela que pode ter sido a prévia da final do Mundial, programada para daqui a uma semana, a seleção brasileira masculina de vôlei apresentou grande performance neste domingo (14) e bateu a Rússia por 3 sets a 1, parciais de 25-21, 24-26, 25-19 e 25-19.

 

Desta forma, o time do técnico Bernardinho se torna o único time invicto da competição, com nove vitórias em nove jogos disputados. Na competição polonesa, a equipe verde-amarela luta para conquistar um inédito tetracampeonato. 

 

Mantendo os titulares (Bruno, Wallace, Murilo, Lucarelli, Lucão e Sidão, com Mario Jr. e Felipe se revezando na posição de líbero), o Brasil baseou seu jogo nos bons serviços, além de contar com excelente perfomance de Lucarelli. Por outro lado, a equipe voltou a sofrer com o gigante Muserskiy e também passou por dificuldades na tentativa de parar Savin.

 

O aspecto triste desta partidaça ficou por conta das contusões: primeiro, Wallace torceu o tornozelo direito no segundo set ao pisar no pé de Spiridonov quando tentou um bloqueio. Minutos mais tarde foi a vez de o mesmo acontecer com o outro oposto em quadra, Moroz, que tentava atacar sobre Murilo. A julgar pelos gritos do russo e pelo fato de ele ter sido levado direto ao hospital, a lesão dele parece ser pior que a do brasileiro, mas isto só será confirmado após a realização dos exames.

 

A bruxa continuou solta na quarta etapa, quando Murilo sentiu uma fisgada na coxa e deu lugar a Lipe. O ponteiro é mais um que fará uma parada no hospital neste domingo. Outro a preocupar é Sidão, que também reclamou do dores no joelho e viu Éder entrar em seu lugar.

 

Voltando ao jogo, foi justamente a partir do momento em que ficou sem oposto – o titular, Pavlov, nem foi relacionado para o jogo – que a Rússia se perdeu, tornando o terceiro set um “presente” para os brasileiros. No quarto set, Bernardinho se viu obrigado a promover as entradas de Éder e Lipe, mas ainda assim o Brasil manteve o bom nível de jogo e chegou a mais um resultado positivo, ao passo que os russos pareciam cada vez mais nervosos em quadra.

 

Classificados, os dois times agora aguardam as partidas da tarde para a definição dos demais times que vão compor a terceira fase do torneio. Ainda neste domingo (14) será realizado um sorteio para a composição dos grupos G e H e os lugares onde eles atuarão. A definição dos quatro times da semifinal acontece de terça (16) a quinta (18).

 

O jogo

 

O primeiro set foi uma verdadeira aula de saque do Brasil, que chegou à segunda parada técnica com absurdos sete pontos de ace – para se ter uma ideia, neste momento, o levantador Bruno era o maior pontuador do jogo, com quatro acertos (três aces e um ataque). Pouco a pouco, porém, a Rússia foi equilibrando e, com Muserskiy e Savin, que entrou no lugar de Ilinykh, eles mostraram que também podem ter um bom saque. O placar deixou de ser tão vantajoso, mas já era tarde demais para a virada e Lucarelli encerrou a primeira parcial.

 

Curioso é que, mesmo sacando demais, o primeiro ponto do bloqueio verde-amarelo só foi sair no segundo set, quando Murilo pegou Moroz na saída de rede. Com 4 a 1 no placar logo no início da nova etapa, o técnico Voronkov foi obrigado a parar o jogo. Deu certo e justamente através de boas jogadas de ataque de seu oposto, a Rússia encostou no placar.

 

A etapa prosseguiu equilibrada até o 13-12, quando Wallace pisou no pé de Spiridonov ao tentar o bloqueio, torceu o tornozelo direito e precisou ser substituído por Leandro Vissotto. O que poderia ser um momento ruim para os brasileiros, no entanto, deu força para o time de Bernardinho embalar e um saque flutuante de Lucarelli levou à pausa do segundo tempo técnico com 16 a 13 no placar.

 

Mas quem disse que os russos se entregariam? Em um bloqueio de Muserskiy sobre Murilo, a igualdade se fez presente no 17o ponto. O grande lance da etapa aconteceu no 21, quando Bruno fez linda defesa no contra-ataque e Lucarelli só deu um toquinho para desmontar a defesa rival. Só que os russos novamente não desistiram e, com Muserskiy no saque, chegaram ao 21-22. 

 

No 24-25 foi a vez de Moroz torcer o pé ao pisar sem querer em Murilo, deixando a Rússia sem oposto, já que o titular, Pavlov, nem veio para o jogo. Mas tudo bem: na sequência, Vissotto atacou pra fora e eles empataram o jogo em 26-24.

 

Ao contrário do que se poderia imaginar, dado o que ocorreu na final das Olimpíadas de Londres, Muserskiy não foi deslocado para a saída de rede, sendo Ilinykh improvisado na função. Melhor para o Brasil, que ainda foi beneficiado por um excesso de erros de saque rival, e abriu 9 a 5.

 

De tanto provocar, Spiridonov acabou tomando cartão amarelo. Errando demais, inclusive no posicionamento, a Rússia permitiu ao Brasil chegar a 17-10. Com a parcial encaminhada, os brasileiros não tiveram problemas para chegar à ponta do placar, feito sacramentado em um erro de saque de Apalikov.

 

A Rússia ainda tentou no um último respiro na quarta etapa, mas de novo não foi suficiente. Mesmo sem poder contar com Murilo e Sidão, que sentiram problemas físicos, o Brasil se manteve bem em quadra e, com relativa tranquilidade, fechou o jogo em ataque cruzado de Vissotto. Antes, a Rússia ainda fez feio quando Makarov tomou cartão vermelho pro provocar demais.




Subscribe
Auto Notificar:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Translate »
213
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x