Search
Wednesday 28 October 2020
  • :
  • :

Praticamente fora do Pré-Olímpico Europeu, Eslovênia já pensa no próximo ciclo olímpico

Crédito: Divulgação/CEV

Crédito: Divulgação/CEV

A matemática foi cruel com a Seleção Eslovena masculina de Vôlei. Faltou pouco para que o ranking continental mantivesse os vice-campeões europeus na luta por uma vaga no Rio-2016. Rússia, Bulgária, Polônia, Alemanha, Sérvia, França, Finlândia e Bélgica estão classificadas para o Pré-Olímpico de Berlim, em janeiro do ano que vem. A Bélgica, com 262 pontos, é a nona do ranking da Confederação Europeia de Voleibol (CEV), e se classificou porque a Itália, segunda colocada, já obteve a vaga olímpica. A Eslovênia, décima, terminou com 260 pontos, a dois pontos de Berlim.

 

Existe ainda possibilidade de que a Eslovênia herde a vaga de algum desistente, mas isso é bem pouco provável. O certo, mesmo, é pensar adiante. Mais especificamente, para o Campeonato Europeu de 2019 e as Olimpíadas de Tóquio-2020.

 

Com o Europeu de 2017 já com sede definida (Polônia), os eslovenos pensam, agora, em conquistar o direito de receber o evento seguinte.

 

“Em Sófia (durante as finais do Europeu deste ano), estabelecemos contatos, acho que temos boas chances. Até o prefeito de Liubliana (capital da Eslovênia), que assistiu à partida final, se reuniu com o novo presidente da CEV, Alexander Boricic”, afirma o presidente da federação eslovena, Metod Ropret.

 

O Europeu de 2019 deve ser disputado por 24 seleções, divididas em quatro chaves. ´Cada grupo deve ser disputado num país diferente. “Não temos, no entanto, a intenção de ficar apenas com a organização de um dos grupos, queremos ter em Liubliana a batalha final”, assegura o dirigente.

 

Pensando no próximo ciclo olímpico, a intenção de Ropret é manter o italiano Andrea Giani à frente do selecionado masculino – o contrato dele com a federação até o final de 2016. “Gostaríamos de contar com Giani para os Jogos Olímpicos de 2020. Sabemos que vai ser difícil mantê-lo, mas algumas evidências já mostram que nosso desejo não é impossível”, acredita.

 

Sob comando de Giani, a Eslovênia disputou 25 partidas e perdeu sete – duas delas, em amistosos contra o Brasil. No Europeu, depois de duas derrotas na primeira fase, o time eliminou a Polônia nas quartas de final e a Itália nas semis. O segundo lugar no torneio foi a maior conquista da história do voleibol esloveno, que, até então, não tinha ido além de um nono lugar na competição.




Subscribe
Auto Notificar:
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Translate »
213
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x